domingo, 30 de outubro de 2011

Homenagem sincera aos políticos ladrões




quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Os comuno-capitalistas brasileiros

"A corrupção dos governantes quase sempre começa com a corrupção dos seus princípios" (Montesquieu)

Não se trata de ser contra ou a favor do comunismo que há muito sobrevive na UTI das ideologias respirando às custas de seu passado histórico. Além das incoerências ideológicas que os fundamentalistas são obrigados a engolir para conseguirem se manter vivos dentro deste mundo global e irreversivelmente capitalista (incluindo a China), os resistentes testemunham agora a formação do Politburo tupiniquim brasileiro liderado pelo senador Inácio Arruda.

Isso mesmo! Os ex-combatentes dos privilégios das "classes dominantes" e defensores do proletariado transformaram-se em elite com a desculpa de ter de "fazer caixa" para implantar o marxismo. Inauguraram um novo grito de guerra:

"Desigualdade para se chegar à igualdade!"

Na verdade, o PCdoBolso, como disse Arnaldo Jabor, não difere de nenhum outro partido e nada de braçada no cofre do Zé Carioca, o Tio Patinhas malandro brasileiro.

A cara-de-pau virou quesito.





Herdeiros de Luiz Carlos Prestes criticam programa do PCdoB

(Com informações de O Globo)

A propaganda partidária do PCdoB na televisão, veiculada na última quinta-feira (20), resultou em severas críticas por parte de herdeiros de figuras históricas do comunismo brasileiro. No programa, de dez minutos de duração, o partido contestou as denúncias de corrupção envolvendo o ministro Orlando Silva e defendeu a trajetória da legenda, citando alguns comunistas ilustres, como Luiz Carlos Prestes, Olga Benário e Maurício Grabois.

Anita Leocádia Prestes, filha de Luís Carlos Prestes e Olga Benário, chegou a divulgar uma carta criticando o PCdoB pelo uso das imagens de seus pais na propaganda. “Não posso aceitar que se pretenda comprometer a trajetória revolucionária dos meus pais com a política atual do PCdoB, que, certamente, seria energicamente por eles repudiada”.

Outra a entrar na discussão foi Victória Grabois, filha de Maurício Grabois, ex-integrante da cúpula do partido nos tempos da Guerrilha do Araguaia, no início da década de 70. “Não posso admitir que usem a imagem do meu pai, que deu a vida a esse partido por suas convicções políticas e ideológicas. Se meu pai estivesse vivo, ficaria envergonhado com o que virou o PCdoB”, disse Victória.

Diante das críticas, o senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), líder do partido no Senado, disse apenas que os herdeiros têm direito a opinar. E argumentou que os representantes atuais do PCdoB honram os antigos líderes comunistas. “Infelizmente, eles não estão mais aqui conosco. Se estivessem, certamente estariam do nosso lado”, falou Arruda.

Como eles já se foram e não podem falar e vai ficar o dito pelo que nunca poderá ser dito, fico com a opinião dos familiares dos mortos. Além de parentes próximos, eles não fazem parte desse paradoxo. Dessa verdadeira salada ideológica verde com molho vermelho.

.

sábado, 15 de outubro de 2011

É impossível não julgar

O que nos incomoda é o julgamento ou a condenação? Alguém reclama quando é absolvido, seja por um tribunal, pela sociedade ou por uma só pessoa? Não... ninguém reclama dizendo: Você me absolveu! Julgamento é um processo que avalia os prós e contras para determinar uma escolha. No entanto, como o ser humano é especialista em unificar significados para defender seu ego, unificou as palavras CONDENAÇÃO e JULGAMENTO, sendo que uma (Julgamento) é um processo e a outra (condenação) é um veredicto. Quando se diz, “você me julgou”, na verdade se quis dizer "você me condenou".

O julgamento faz parte do ser humano e não há nada de errado em julgar, desde que seja um processo interno; desde que não se rotule o objeto do julgamento; que não nos fechemos para uma reavaliação constante. Um processo sem veredicto, dinâmico e inconclusivo, utilizado apenas para escolhas momentâneas e não definitivas.

A verdade, a mentira; o bem, o mal; o certo e o errado fazem parte do dualismo móvel que modela a nossa essência. Nas religiões e nos dogmas, por exemplo, o dualismo é estático porque necessita impor verdades, pois, aceitar o dinamismo da evolução e mudar seria transformar verdades-leis em contradições diante de seus seguidores. As religiões com as suas verdades transformaram a humanidade numa confraria de seres inflexíveis e intolerantes.

O problema não está em julgar, mas em declarar publicamente o veredicto, seja ele de absolvição ou condenação. O problema está em rotular e influenciar pessoas. O problema está em não julgar a si mesmo com a mesma assertividade e eficácia com que se julga o outro.

Julgar não é condenar e absolver não é perdoar. Julgamos quando precisamos decidir; perdoamos quando compreendemos.



sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Presidente ou presidenta?

FINALMENTE ALGUÉM RESOLVEU O PROBLEMA: É PRESIDENTE OU PRESIDENTA???


Rui Dammenhain


Acho interessante para acabar com a polêmica de "Presidente ou Presidenta" No português existem os particípios ativos como derivativos verbais. Por exemplo: o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é mendicante... Qual é o particípio ativo do verbo ser?


O particípio ativo do verbo ser é ente. Aquele que é: o ente. Aquele que tem entidade. Assim, quando queremos designar alguém com capacidade para exercer a ação que expressa um verbo, há que se adicionar à raiz verbal os sufixos ante, ente ou inte. Portanto, à pessoa que preside é PRESIDENTE, e não "presidenta", independentemente do sexo que tenha. Se diz capela ardente, e não capela "ardenta"; se diz estudante, e não "estudanta"; se diz adolescente, e não "adolescenta"; se diz paciente, e não "pacienta".


Um bom exemplo do erro grosseiro seria: "A candidata a presidenta se comporta como uma adolescenta pouco pacienta que imagina ter virado eleganta para tentar ser nomeada representanta. Esperamos vê-la algum dia sorridenta numa capela ardenta, pois esta dirigenta política, dentre tantas outras suas atitudes barbarizentas, não tem o direito de violentar o pobre português, só para ficar contenta". Por favor, pelo amor à língua portuguesa, repasse essa informação.


Miriam Rita Moro Mine - Universidade Federal do Paraná



Posts mais populares