segunda-feira, 1 de novembro de 2010

E agora, José? E agora, Maria?


Como venho "martelando" há quase dois anos neste blog e no Twitter, vitórias e derrotas políticas são situacionais, pontuais e passageiras. Não há derrota em regimes democráticos: numa eleição, ganha quem vence, ganha quem perde e ganha quem vota. Até os ausentes, os que votaram em branco ou anularam seus votos também ganham.

Desde que se tenha consciência do que se faz; desde que se ganhe consciência do que se fez.

O que é inadmissível em qualquer vitória ou derrota é a "vingância" (vingança + ignorância). Moramos todos num mesmo país e isto vem antes de qualquer tipo de partidarismo ou regionalismo. Este não é um desconsolo para os que se sentem vitoriosos; não é um consolo para os que se sentem derrotados; não é um estímulo para os indiferentes ou desesperançados. Este é o cerne da consciência e o verdadeiro sentido da vida: alcançar o sentimento e o comportamento de ser-humanizado.

Temos que ampliar os nossos conceitos de justiça, de liberdade, de fraternidade e de igualdade. Temos de participar mais, sem medo de errar. Precisamos perder o estilo "futebolístico" de viver, no qual só a vitória explícita interessa e nossa chance de vitória está na Copa do Mundo Eleitoral, apenas de 4 em 4 anos. Em resumo, parafraseando Mahatma Gandhi:"Temos de nos tornar na mudança que queremos ver."

Serão quatro longos e produtivos anos. Ganhasse quem ganhasse, teria os mesmos quase 50% de votos contrários, ou seja, o desafio de governar um país com os que desejam manter e os que desejam mudar. Maioria simples, como o próprio termo diz, é SIMPlES e apenas uma regra da democracia para definir quem será o presidente. E isto vale também para governos estaduais e para o Congresso Nacional.

Que 2011 seja um recomeço para todos os que se sentem vitoriosos, derrotados e também para os indiferentes. Acompanhemos mais, exijamos mais, reivindiquemos mais, enfim... percebamos mais. Utilizemos positivamente as ferramentas que a tecnologia nos deu para apoiar, protestar ou reivindicar.

Não nos esqueçamos de um fato muito importante que marcou 2010: "Com apenas 2% dos eleitores, tivemos força para pressionar e aprovar a lei do Ficha Limpa". Com esses 2,5 milhões de assinaturas - ou 2% dos 135 milhões de eleitores - conseguimos dividir o Supremo Tribunal Federal.

Já pensaram nisso?




BlogBlogs

Um comentário:

Rafaela Andrade disse...

Oi, td bem?
Gostei do seu texto. Apesar da campanha eleitoral ter sido sofrida, a democracia venceu. Só faltou os que se acham tão bons entenderem o sentido das palavras democracia e diversidade.

Um abraço
Rafaela
http://www.apenasumponto.blogspot.com/
http://www.apenasumpontoesportivo.blogspot.com/

Posts mais populares