quarta-feira, 2 de novembro de 2016

FINADOS - O DIA DA MORTE FÍSICA

Um dos maiores argumentos dos que se posicionam contra a espiritualidade (não falo de religiões) é que a vida após a morte é uma forma de consolo para os que perderam seus entes queridos ou para os vivos que têm medo de morrer.

A rejeição de alguns em relação a tudo aquilo que a ciência não explica ou a relutância de outros em abandonar suas convicções religiosas e até o medo do ridículo, ainda são as maiores barreiras para que a própria ciência tente se aprofundar no tema com seriedade.

Quando alguém se projeta conscientemente fora do corpo ou quando uma pessoa é sensitiva e percebe energias mais sutis, por mais cultas e inteligentes que sejam, essas pessoas são jogadas num saco de loucos ignorantes e esses que as rotulam ganham status de seres inteligentes.

Lembrem-se: não foi só a igreja que contestou e perseguiu Copérnico, Galileu, Da Vinci e tantos outros gênios. Muitos "cientistas" da época também os contestaram e os chamaram de excêntricos e loucos. Na era contemporânea, o físico alemão Kaufmann contestou as teorias de Einstein. Enfim, a ciência também vive se contradizendo, mas muitas dessas contradições ganham termos mais bonitos como "erros de observação" ou "erros de cálculo".

No tocante ao ateísmo, para mim ele não passa de uma religião, pois, embora se posicione como um contraponto ao teísmo, paradoxalmente nega a inexistência de uma força maior (criadora ou não), mesmo que amorfa e sem as características da inteligência humana, sem também provar. O agnóstico pelo menos reconhece a sua pequenez diante do que ainda não pode ser provado. É menos pretensioso e mais modesto.

Enfim, em pleno século XXI, a frase "só sei que nada sei" atribuída a Sócrates ganha mais força do que nunca 2.500 anos depois e continuará ganhando, segundo seu próprio sentido, segundo a própria imensidão inexplorada e infinita do Universo.

Somos tudo e não somos nada.

Nenhum comentário:

Posts mais populares