segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Dilma na ONU: vergonha de ser brasileiro.

A nossa presidente vai gastar um tempo PRECIOSÍSSIMO na ONU pra  fazer beicinho e envergonhar o Brasil perante o mundo inteiro. Não quero ouvir seu discurso nem sozinho num quarto de portas fechadas. Como se já não bastasse termos de ouvir internamente, aqui no Brasil, as sugestões tupiniquins de seus assessores da área de comunicações que com alguns bilhões em softwares e equipamentos os e-mails dos nossos governantes estarão seguros contra uma eventual espionagem de outros países. Que a localização física/geográfica se um servidor da internet garante a posse dos dados nele contidos. Santa ignorância!

Essa mistura de ingenuidade e ignorância técnica com alienação e fanatismo ideológico só pode dar nisso: expor o Brasil mundialmente ao ridículo e transformá-lo em motivo de piadas. Mistura de revolta e vergonha de ser governado por um partido que cheira mofo, trancado no armário do tempo, recheado de carunchos e teias de aranha.

Não perderei muito tempo para escrever de novo sobre esse negócio de espionagem, mas apenas dar um copy/paste abaixo do último post que fiz sobre o tema:

ESPIONAGEM - GOD BLESS BRAZIL COM "Z"

O FATO
É óbvio que ninguém fica feliz de ser espionado e trata-se de invasão de privacidade. Embora a gente brinque aqui no grupo, independentemente do mandatário do governo, a espionagem é uma prática que fere a soberania de qualquer país e é inadmissível. Quando a constatação se torna pública, como no caso do Brasil por meio do ex-técnico da CIA, há necessidade de ações diplomáticas pedindo esclarecimentos formais. Se isto não for feito, a omissão e o silêncio resultarão numa espécie de consentimento implícito e volto a dizer que isto independe de quem esteja no poder do país espionado.

A REALIDADE - I
Existe uma prática que se chama empatia, ou seja, a capacidade de se colocar no lugar do outra pessoa, tentando enxergar e avaliar a situação sob a perspectiva dessa outra e o mesmo vale para o caso de países. Entre nações, essa prática não elimina a necessidade de se tomar as medidas diplomáticas em relação ao FATO e elas devem ser tomadas. No entanto, a empatia servirá para avaliar e corrigir eventuais desvios nos posicionamentos diplomáticos do país espionado. Embora a hipocrisia seja muito comum no âmbito da diplomacia (sim... hipocrisia mesmo), ela deve ser deixada de lado para que o país possa rever SINCERAMENTE sua política de relacionamento com outras nações.

A REALIDADE - II
O mundo político-econômico de hoje está polarizado nos EUA/Reino Unido/aliados e na China/Rússia/aliados. Alemanha e França, embora normalmente apoiem o grupo liderado pelos EUA já mostraram independência em muitas oportunidades e normalmente não assinam embaixo das decisões desse primeiro grupo. A posição do Brasil do PT sempre foi ANTI-AMERICANA, apoiando incondicionalmente todas as posições do segundo grupo, nunca se preocupando em ser coerente com sua constituição democrática que difere de todas as outras desse segundo grupo. Embora não fosse necessário citar, é bom lembrar do apoio quase incondicional brasileiro, principalmente ao Irã, à Cuba, à Venezuela e Bolívia, países que, além de absolutamente anti-americanos, adotam políticas repressivas e contrárias às liberdades de expressão, de imprensa e das minorias. Ditaduras explícitas e implícitas.

A LÓGICA - I
Internamente e baseado em seus apoios, está mais do que provado que o PT tende à implantação de um regime totalitário. Isto porque não há meio termo para os que se simpatizam com a falta de liberdade de imprensa ou de expressão e não existe meia liberdade. O Brasil só não é hoje uma Rússia, Cuba, Venezuela ou Bolívia DE FATO porque o PT ainda não conseguiu alterar nossa Carta Magna, mas o politburo brasileiro está trabalhando fortemente para que seja rasgada e refeita segundo seus princípios comunocráticos.

A LÓGICA - II
Os EUA, diante do antiamericanismo brasileiro declarado e de suas posições comunistas também declaradas, considera o Brasil um INIMIGO muito mais do que potencial, mas REAL. O PT ODEIA os americanos, sua presidente terrorista fez parte do grupo que sequestrou embaixador americano Charles Burke Elbrick em 1969 durante a ditadura militar. Se os petistas pudessem espionar os americanos - e também nada indica que não faça, exceto suas limitações intelectuais e tecnológicas - certamente o estariam fazendo. Diante disto, os EUA têm toda a razão - embora não o direito - de espionar o Brasil 24 horas por dia, pois, ele representa uma AMEAÇA ao governo americano e à população daquele país. Empaticamente, se eu fosse presidente dos EUA, estaria fazendo a mesma coisa, ou quem sabe pior. Um presidente não governa para si e seu partido, mas tem responsabilidade com a vida e segurança dos MILHÕES que representa.

O FUTURO
Já está mais do que provado que o PT governa totalmente imerso e envolvido com suas mágoas do passado e não está nem aí com o nosso país. Sua prioridade absoluta é a vingança, nem que isto custe a vida  - e já está custando - de milhões de brasileiros que deixam de receber de volta os bilhões dos extorsivos impostos que pagam em forma de saúde, segurança e educação. A tal da "ideologia" é apenas um pano de fundo, como se, mesmo assim, uma ideologia idiota pudesse justificar a destruição de um país que tem tudo para ser uma das grandes potências econômicas e humanísticas mundiais.

E DIANTE DO INEVITÁVEL, COMO DIZ UM DOS ÍCONES PETISTAS...
... relaxemos e gozemos. Pedimos que o presidente Obama nos envie por baixo do pano os frutos da espionagem americana e vamos fazer do limão uma limonada. Nos ajude com provas para tirar essa quadrilha que tomou o Brasil de assalto. Deixe "vazar" para a imprensa mundial algumas correspondências que mostrem a SORDIDEZ desses corruptos para que possamos chutá-los definitivamente do poder.

Inventem um delator foragido, mas que escreva com a sua mão mais conservadora.

sábado, 21 de setembro de 2013

O procurador que ainda não achou.

O novo Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, não é a favor do pedido de prisão dos mensaleiros condenados, nem agora e nem quando o acórdão dos infringentes for publicado, mesmo sabendo que a alteração da pena de formação de quadrilha não livrará alguns réus da cadeia. Sabemos que, como leigos, não podemos entrar muito a fundo em coisas complexas da justiça, porém não se trata de discutirmos o que não conhecemos, mas de coisas que sabemos melhor do que muitos juristas renomados: conhecer pessoas. Para conhecer pessoas e seus estilos não precisamos ser psicólogos ou formados em psiquiatria.

Segundo prevê a Constituição Federal, o procurador-geral da República deve sempre ser ouvido nas ações de inconstitucionalidade e em todos os processos de competência do Supremo Tribunal Federal. O procurador-geral da República também pode promover Ação Direta de Inconstitucionalidade e ações penais para denunciar autoridades como deputados federais, senadores, ministros de Estado e o presidente e o vice-presidente da República. Além disso, pode propor perante o STJ ação penal, representação para intervenção nos Estados e no Distrito Federal e a de federalização de casos de crimes contra os direitos humanos.

O que não vimos até agora foi o novo procurador Janot se manifestando mais contundentemente sobre o caso do mensalão e isto é MAU SINAL. Todas as suas declarações sobre a ação penal 407 limitaram-se a contrariar decisões ou manifestações dos ministros que condenaram os réus, atuando quase como um advogado de defesa. Sabemos que como constitucionalista ele deve ver sempre os dois lados, mas ainda está devendo falar de um deles: o da pertinência da ação de seu antecessor Gurgel. Será que ele não se sensibilizou em nada com esse roubo histórico dos cofres públicos? Com nenhuma das inúmeras provas apresentadas? Ele é chefe do Ministério Público ou mais um representante do governo em pele de cordeiro para livrar a cara  dos condenados amigos da presidente Dilma e do PT? Quem ele está representando e quem deveria representar? Não dá nem pra dar uma "disfarçadazinha"?

Já sabemos que INDISCUTIVELMENTE existe uma bancada tecno-política majoritária do governo no Supremo Tribunal Federal, mas lá pelo menos ainda temos 5 juízes a favor do povo.

O problema é que Procurador Geral da República, só existe UM.

Vamos ter que chamar o Chapolin Colorado?

Leia também: "Um procurador que sabe achar"

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Venceu mais uma vez a impunidade. Puta novidade!

Faltou Celso de Mello citar Matusalém e evocar Enoque para justificar os embargos infringentes. Começou após o descobrimento, passou pela idade média, pelo nosso império, pelo século XIX, XX e ignorou o século XXI. Citou até a República Bolivariana da Venezuela em um de seus exemplos!

Como 4 votos vencidos podem invalidar um julgamento e exigir outro, a justiça agora no STF será feita como no futebol, pelo placar. Quem tiver só 3 votos se ferra. Isonomia perneta, coisas de Brasil. Justiça vergonhosa, contaminada, lerda, ineficiente e seletiva. Direitos fundamentais garantidos apenas para os amigos dos poderosos e para os que têm advogados milionários, pagos com dinheiro que é fruto, direta ou indiretamente, de seus próprios crimes, no caso da Ação 470, com o nosso dinheiro.

Razão tinha o falecido Saulo Ramos quando bateu o telefone na cara desse ministro indicado por José Sarney, quando o mesmo confessou ter votado contra no julgamento de um recurso desse mesmo ex-presidente para contrariar a publicação da Folha de S. Paulo. Reproduzo o diálogo do livro do jurista Saulo Ramos (“Código da Vida” da editora Planeta, página 170):

Na Consultoria (Saulo foi Consultor Geral da República no governo Sarney) eu contava com a colaboração do secretário-geral, o jovem promotor público de São Paulo, José Celso de Mello Filho, requisitado para prestar serviços à Presidência. Talento inegável. Eis que surgiu mais uma vaga no STF.Sarney já havia nomeado Carlos Madeira, Sepúlveda Pertence e Paulo Brossard. Indiquei Celso de Mello, mas o ministro Oscar Correia queria Carlos Velloso. Eu venci.

Mais adiante, na página 169/170, Saulo Ramos conta que tão logo Sarney saiu da presidência, decidiu mudar o domicílio eleitoral para o Amapá e o caso foi parar no STF. A Corte estava naquele momento em recesso. Leia o que conta o ex-chefe do ministro Celso de Mello e seu padrinho político na indicação para o Supremo:

O ministro Celso de Mello, meu ex-secretário na Consultoria Geral da República, me telefonou:
- O processo do presidente será distribuído amanhã. Em Brasília só estamos eu e o marco Aurélio, primo de Collor. Não sei como ele votará.
Celso de Mello concordou com a tese de que era indiscutível a matéria de fato, isto é, a transferência do domicílio eleitoral no prazo da lei. Até porque não se pode confundir domicílio civil e domicílio eleitoral.

 O caso foi distribuído para Marco Aurélio, que liminarmente beneficiou Sarney. No livro, o desfecho é contado deste modo:

Veio o dia do julgamento do mérito pelo plenário, Sarney ganhou, mas o último a votar foi o ministro Celso de Mello, que votou pela cassação da candidatura do Sarney.

De qualquer modo, Celso de Mello foi voto vencido, mas Saulo Ramos demonstrou perplexidade:

Ele não teve sequer a gentileza, ou habilidade, de dar-se por impedido. Votou contra o presidente que o nomeara, depois de ter demonstrado grande preocupação com a hipótese de Marco Aurélio ser o relator.

Apressou-se ele mesmo [o ministro Celso de Mello] a me telefonar, explicando:
- Doutor Saulo, o senhor deve ter estranhado o meu voto.
- Claro ! O que deu em você ?
- É que a Folha de S. Paulo, na véspera da votação, noticiou que o presidente tinha os votos dos ministros e enumerou vários nomes, inclusive o meu. Quando chegou a minha vez, notei que ele já tinha vencido e votei para desmentir a Folha de S. Paulo. Mas fique tranquilo, poque se meu voto fosse decisivo, eu teria votado a favor do presidente.
- Espere um pouco,. Deixe-me ver se compreendi bem. Você votou contra o Sarney porque a Folha noticiou que você votaria a favor ?
- Sim.
- E se o Sarney já não houvesse ganhado, quando chegou a sua vez de votar, você, nesse caso, votaria a favor dele ?
- Exatamente. O senhor entendeu ?
- Entendi. Entendi que você é um juiz de merda !
Bati o telefone e nunca mais falei com ele. 
Nossa última instituição "FOI-SE COM O MARTELO" do ministro Celso de Mello e trupe da bancada petista. Navegamos em linha reta com destino à Ilha de Cuba. Fique quem quiser e salve-se quem puder!

Venceu mais uma vez a IMPUNIDADE. Perdemos nós, os PALHAÇOS de sempre.


Marco Antonio Villa: o STF nunca foi um defensor dos direitos dos cidadãos.


Min. Celso de Mello: convincente na hora do voto. Pura encenação.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Ministro Celso de Mello: justiça ou ego?

Assim disse o excelentíssimo ministro do STF Celso de Mello, detentor do voto minerva da próxima quarta-feira, numa reportagem da Folha de São Paulo:

"Todo recurso demanda a formulação de dois juízos. Um preliminar, se é cabível ou não. Se for cabível, aí depois você vai julgar o mérito e dizer se o recurso tem ou não razão. Entender cabível não significa que se vá acolher o mérito", disse o ministro à Folha. "Da maneira que está sendo veiculado dá a impressão que o acolhimento vai representar absolvição ou redução de pena automaticamente, e não é absolutamente nada disso", afirmou. Mello disse ainda que não se sente pressionado, no julgamento, pela opinião pública e destacou que a decisão de um ministro é "solitária" e "eminentemente pessoal".

Nossa preocupação não é essa, caro ministro Celso de Mello. O povo está menos preocupado com a absolvição ou redução das penas do que com a protelação do julgamento e da institucionalização da impunidade. O povo está querendo entender, como um Regimento Interno antiquíssimo pode superar uma lei posterior que elimina (ou ao menos não prevê) a aceitação de embargos infringentes. Vou reunir o pessoal da minha rua e fundar o Clube dos Espertinhos da Vila, criar uma diretoria e aprovar um Regimento Interno para não pagar impostos e permitir crimes. O que o STF pensa que é? Uma instituição que está acima da lei? Deuses do Olimpo que não se submetem à constituição e criam suas leis internas de abrangência nacional sem passar pelo Congresso?

O povo está de saco cheio de acompanhar essas melancólicas sucessões de absurdos na Corte Máxima que mostra uma estatura abaixo da mínima. Somos leigos e não temos notório saber jurídico, mas isto não nos transforma em idiotas que não percebem existir uma bancada petista comandada pelo ministro revisor Lewandowsk, seu comandado Toffoli e recentemente engordada com os mauricinhos faladores Teori Zavascki e o "novato" Rolando Lero Barroso. Essa tropa de choque pseudo-legalista tem um propósito claro que extrapola o pleno direito de defesa e atinge a absurda ilegalidade protelatória.

Seu jeito de lidar com o que chama de justiça, caro ministro Celso de Mello, está bem fundamentado na história, num relato horripilante do jurista Saulo Ramos e tudo indica que o fato se repetirá por ser uma questão de estilo. Relembro o triste fato:

------------------------------------------------

Relata Saulo Ramos...

O ministro Celso de Mello, meu ex-secretário na Consultoria Geral da República, me telefonou:

- O processo do presidente será distribuído amanhã. Em Brasília só estamos eu e o marco Aurélio, primo de Collor. Não sei como ele votará.

Celso de Mello concordou com a tese de que era indiscutível a matéria de fato, isto é, a transferência do domicílio eleitoral no prazo da lei. Até porque não se pode confundir domicílio civil e domicílio eleitoral.

O caso foi distribuído para Marco Aurélio, que liminarmente beneficiou Sarney. No livro, o desfecho é contado deste modo:

Veio o dia do julgamento do mérito pelo plenário, Sarney ganhou, mas o último a votar foi o ministro Celso de Mello, que votou pela cassação da candidatura do Sarney.

De qualquer modo, Celso de Mello foi voto vencido, mas Saulo Ramos demonstrou perplexidade:

- Ele não teve sequer a gentileza, ou habilidade, de dar-se por impedido. Votou contra o presidente que o nomeara, depois de ter demonstrado grande preocupação com a hipótese de Marco Aurélio ser o relator.

A partir daqui, vai o que consta da página 170:

- Apressou-se ele mesmo a me telefonar, explicando:

- Doutor Saul, o senhor deve ter estranhado o meu voto.

- Claro ! O que deu em você ?

- É que a Folha de S. Paulo, na véspera da votação, noticiou que o presidente tinha os votos dos ministros e enumerou vários nomes, inclusive o meu. Quando chegou a minha vez, notei que ele já tinha vencido e votei para desmentir a Folha de S. Paulo. Mas fique tranquilo, poque se meu voto fosse decisivo, eu teria votado a favor do presidente.

- Espere um pouco,. Deixe-me ver se compreendi bem. Você votou contra o Sarney porque a Folha noticiou que você votaria a favor ?

- Sim.

- E se o Sarney já não houvesse ganhado, quando chegou a sua vez de votar, você, nesse caso, votaria a favor dele ?

- Exatamente. O senhor entendeu ?

- Entendi. Entendi que você é um juiz de merda !

Bati o telefone e nunca mais falei com ele.

------------------------------------------------

E daí, ministro? Vai votar contra o povo das ruas e contra os jornais para mostrar independência ou vai optar pela justiça? Taí uma excelente oportunidade de amenizar esse seu triste passado.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Espionagem - God Bless Brasil com "z"

O FATO
É óbvio que ninguém fica feliz de ser espionado e trata-se de invasão de privacidade. Embora a gente brinque aqui no grupo, independentemente do mandatário do governo, a espionagem é uma prática que fere a soberania de qualquer país e é inadmissível. Quando a constatação se torna pública, como no caso do Brasil por meio do ex-técnico da CIA, há necessidade de ações diplomáticas pedindo esclarecimentos formais. Se isto não for feito, a omissão e o silêncio resultarão numa espécie de consentimento implícito e volto a dizer que isto independe de quem esteja no poder do país espionado.

A REALIDADE - I
Existe uma prática que se chama empatia, ou seja, a capacidade de se colocar no lugar do outra pessoa, tentando enxergar e avaliar a situação sob a perspectiva dessa outra e o mesmo vale para o caso de países. Entre nações, essa prática não elimina a necessidade de se tomar as medidas diplomáticas em relação ao FATO e elas devem ser tomadas. No entanto, a empatia servirá para avaliar e corrigir eventuais desvios nos posicionamentos diplomáticos do país espionado. Embora a hipocrisia seja muito comum no âmbito da diplomacia (sim... hipocrisia mesmo), ela deve ser deixada de lado para que o país possa rever SINCERAMENTE sua política de relacionamento com outras nações.

A REALIDADE - II
O mundo político-econômico de hoje está polarizado nos EUA/Reino Unido/aliados e na China/Rússia/aliados. Alemanha e França, embora normalmente apoiem o grupo liderado pelos EUA já mostraram independência em muitas oportunidades e normalmente não assinam embaixo das decisões desse primeiro grupo. A posição do Brasil do PT sempre foi ANTI-AMERICANA, apoiando incondicionalmente todas as posições do segundo grupo, nunca se preocupando em ser coerente com sua constituição democrática que difere de todas as outras desse segundo grupo. Embora não fosse necessário citar, é bom lembrar do apoio quase incondicional brasileiro, principalmente ao Irã, à Cuba, à Venezuela e Bolívia, países que, além de absolutamente anti-americanos, adotam políticas repressivas e contrárias às liberdades de expressão, de imprensa e das minorias. Ditaduras explícitas e implícitas.

A LÓGICA - I
Internamente e baseado em seus apoios, está mais do que provado que o PT tende à implantação de um regime totalitário. Isto porque não há meio termo para os que se simpatizam com a falta de liberdade de imprensa ou de expressão e não existe meia liberdade. O Brasil só não é hoje uma Rússia, Cuba, Venezuela ou Bolívia DE FATO porque o PT ainda não conseguiu alterar nossa Carta Magna, mas o politburo brasileiro está trabalhando fortemente para que seja rasgada e refeita segundo seus princípios comunocráticos.

A LÓGICA - II
Os EUA, diante do antiamericanismo brasileiro declarado e de suas posições comunistas também declaradas, considera o Brasil um INIMIGO muito mais do que potencial, mas REAL. O PT ODEIA os americanos, sua presidente terrorista fez parte do grupo que sequestrou embaixador americano Charles Burke Elbrick em 1969 durante a ditadura militar. Se os petistas pudessem espionar os americanos - e também nada indica que não faça, exceto suas limitações intelectuais e tecnológicas - certamente o estariam fazendo. Diante disto, os EUA têm toda a razão - embora não o direito - de espionar o Brasil 24 horas por dia, pois, ele representa uma AMEAÇA ao governo americano e à população daquele país. Empaticamente, se eu fosse presidente dos EUA, estaria fazendo a mesma coisa, ou quem sabe pior. Um presidente não governa para si e seu partido, mas tem responsabilidade com a vida e segurança dos MILHÕES que representa.

O FUTURO
Já está mais do que provado que o PT governa totalmente imerso e envolvido com suas mágoas do passado e não está nem aí com o nosso país. Sua prioridade absoluta é a vingança, nem que isto custe a vida  - e já está custando - de milhões de brasileiros que deixam de receber de volta os bilhões dos extorsivos impostos que pagam em forma de saúde, segurança e educação. A tal da "ideologia" é apenas um pano de fundo, como se, mesmo assim, uma ideologia idiota pudesse justificar a destruição de um país que tem tudo para ser uma das grandes potências econômicas e humanísticas mundiais.

E DIANTE DO INEVITÁVEL, COMO DIZ UM DOS ÍCONES PETISTAS...
... relaxemos e gozemos. Pedimos que o presidente Obama nos envie por baixo do pano os frutos da espionagem americana e vamos fazer do limão uma limonada. Nos ajude com provas para tirar essa quadrilha que tomou o Brasil de assalto. Deixe "vazar" para a imprensa mundial algumas correspondências que mostrem a SORDIDEZ desses corruptos para que possamos chutá-los definitivamente do poder.

Inventem um delator foragido, mas que escreva com a sua mão mais conservadora.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Os otários úteis do Sete de Setembro

Muitos se encontram frustrados com as ruas no sete de setembro, eu não! Excluindo-se os baderneiros e Black Blocks, os que saíram às ruas foram os que protestaram civilizadamente e os cidadãos que homenagearam o Brasil. Nossa nação está muito acima dos corruptos e ideólogos desequilibrados que tomaram de assalto o governo e usufruem de um poder absolutamente temporário, condição estabelecida pela Constituição brasileira.

Essa ausência dos outros milhões de brasileiros que saíram às ruas em junho, ao contrário do que muitos pensam (ou gostariam de pensar), não se trata de arrefecimento do sentimento de revolta contra essa bandalheira política ou aumento de aprovação governamental. Foi por RECEIO ou MEDO, como queiram. Pessoas pacíficas não enfrentam baderneiros profissionais orquestrados por ideologias sejam elas políticas ou filosóficas, orientadas por manuais de guerrilha urbana.

E esses NÃO BRASILEIROS que queimaram o símbolo maior da nossa Pátria, trocando-o pelo vermelho da ignorância e da pequenez de espírito, graças à ausência dos VERDADEIROS BRASILEIROS, foram expostos para o Brasil e para o mundo, mostrando a todas as pessoas de INTELIGÊNCIA MEDIANA e acima dela, que representam apenas uma minoria desequilibrada, ignorante e irresponsável.

Quando houver outra explosão VERDADEIRA do inconsciente coletivo nas ruas, ela não será encomendada e muito menos terá data marcada.

Banana pra vocês, seus trouxas!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Espionagem ou controle? É tudo a mesma coisa!

A matéria de ontem sobre a espionagem americana é a vida imitando o cinema ou o cinema prevendo o futuro? Amenizando os exageros da ficção, os filmes 2001 Uma Odisséia no Espaço de Stanley Kubrick e 1984 (Nineteen Eighty-Four)produzido naquele ano e baseado no livro de George Orwell escrito em 1940, foram considerados devaneios futuristas quando produzidos. Não vou aqui entrar em detalhes sobre as obras e quem não assistiu aos filmes ou leu os livros vale a pena fazê-lo.

No caso do filme de Kubrick, algumas previsões ainda não se concretizaram, mas muitas delas a tecnologia aeroespacial certamente já realizou. No caso do livro/filme 1984, sem entrar no mérito das previsões ideológicas da oligarquia implantada das três "nações" hegemônicas, o lado da constante vigilância na vida dos cidadãos e dos governos, falsificação de documentos públicos, influência na literatura e na educação entre outras ações coercitivas, representam muito bem o caminho que a humanidade está trilhando.

É óbvio que a espionagem é algo repugnante, independentemente dos motivos que possam alegar, mas hoje há uma distância enorme entre o direito à privacidade e a realidade que presenciamos e maior ainda daquela que não temos conhecimento. Mas será que existe um divisão clara entre mocinhos e bandidos nessa história? Só os EUA espionam ou só eles tem um Edward Snowden para delatar suas ações de espionagem?

Se isto é certo ou errado é uma outra discussão, mas acreditar que a Rússia, Inglaterra, Alemanha, China, França, Israel e outras potências não fazem o mesmo ou coisa muito parecida é acreditar em papai noel. O mundo inteiro está mapeado pelos satélites e o que a Google mostra no Google Earth e StreetView é numa resolução de brincadeirinha de criança. Não duvidem se a verdadeira arma de visualização por satélites permitir leitura labial.

O que fazer eu não sei, pois, trata-se de um pepino para toda a população do Planeta sair às ruas, mas sinceramente, não vai adiantar absolutamete nada.

Posts mais populares