segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Transformação

Ser ou não ser, mas se for, ser o que?
(...) "Mas a transformação só acontece pelo poder do fogo. Pipoca que não passa pelo fogo fica do mesmo jeito. Imagino que a pobre pipoca, fechada dentro da panela, lá dentro ficando cada vez mais quente, pensa que sua hora chegou: vai morrer. De dentro da casca dura, fechada em si mesma, ela não pode imaginar destino diferente. Não pode imaginar a transformação que está sendo preparada. Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo, a grande transformação acontece: pum! e ela aparece como uma outra coisa, completamente diferente. É a lagarta rastejante e feia que surge do casulo como borboleta voante."


"Em Minas todo mundo sabe o que é piruá. Piruá é pipoca que se recusou a estourar. Piruás são aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente, se recusam a mudar. Elas acham que não pode haver coisa mais maravilhosa do que o jeito com elas são. O destino delas é triste. Vão ficar duras a vida inteira. Não vão se transformar na flor branca e macia, deliciosa de ser comida com um salzinho. Não vão dar alegria para ninguém. Comidas as pipocas, os piruás vão para o lixo. Esse é o destino das pessoas que se recusam a mudar. Quanto às pipocas que estouraram, são adultos que voltaram a ser crianças e que sabem que a vida é uma grande brincadeira…" (Pipocas e Piruás - Rubem Alves)

A frase "Torna-te o que tu és"  de Nietzsche (Assim Falou Zaratustra) é pequena em tamanho, mas imensa em reflexão. Como tornar-me aquilo que sou? O que sou e o que deveria ser?

É certo que nos moldamos a partir dos princípios morais ditados pela sociedade em que crescemos e vivemos. Aceitamos uma parte desses princípios porque vibram com a nossa essência, mas engolimos a outra sem questioná-la. Preguiça mental, medo, conformismo, indolência ou conveniência? Não importa... sempre buscamos motivos e justificativas para navegar na vida com o piloto automático ligado porque dá menos trabalho.

Não se trata de mudar por mudar, mas de questionar o que nos é imposto em termos morais e comportamentais. O foco da crítica não está nos que buscam as suas próprias verdades, mas nos reacionários e nos extremistas. Nos que acreditam na linearidade do pensamento (na famosa coerência) e nos que mudam apenas para serem diferentes e chamar atenção.

Os que mudam para serem diferentes, embora mantenham a aparência firme no teatro da vida, podem ao menos comparar os contrastes de sua atuação com seus valores internos. Já os que não mudam por coerência, medo ou seja lá o for, apenas passarão pela vida sem viver. Evolução é revolução. Não está na contestação compulsiva e muito menos na irritante regularidade planejada.

Como escreveu Fernando Pessoa: "A coerência, a convicção, a certeza são demonstrações evidentes - quantas vezes desculpadas - de falta de educação. É uma falta de cortesia com os outros ser sempre o mesmo à vista deles; é maçá-los, apoquentá-los com a nossa falta de variedade."

Não podemos encontrar nós mesmos sem nos procurarmos.

3 comentários:

Olavo Marques disse...

Olá! Gostei muito de seu blog e estou seguindo-o!
Convido-o para ver meu blog que é sobre jogos em PowerPoint.

Nele explica como fazer um jogo em PowerPoint, pagina "Como fazer jogos" e depois de fazer seu jogo, você pode publicar lá! Basta ir à página "Postar aqui um jogo".
Para anunciar seu jogo antes de fazê-lo, vá à pagina "Jogos em Processo" Aqui está o blog:

http://jogosempowerpoint.blogspot.com/

Se quiser começar fazendo seus jogos para publicar lá, siga o blog! Obrigado!

Nana Ervilha disse...

Torna-te o que tu és. Uma imensa borboleta. Vou correndo pegar meu Nietsche. Adorei. :)

Pura Reflexão disse...

Putz, Nana... às vezes pego o meu Nietzsche e a coisa enrola mais ainda. Danado pra "minhocá". Mas na média a gente sempre ganha. rs

Posts mais populares