quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Não quero a faca

Confesso que já li muitos livros. Confesso também que parei de lê-los quando descobri que seriam insuficientes para a minha capacidade de assimilação em vida, mesmo que me transformasse na pessoa mais seletiva do mundo. Citando Lao-Tsé, estou na fase digestiva: "Para ganhar conhecimento, adicione coisas todos os dias. Para ganhar sabedoria, elimine coisas todos os dias".

O que eu digo não é um bom exemplo num país que se lê muito pouco, ou seja, cerca de 2,5 livros por ano dos quais 70% são livros didáticos (interessante essas estatísticas... meio livro significa parar na metade do terceiro?). Em países como os EUA, Suécia e Dinamarca são mais de 10 por ano (Fonte: Observatório da Imprensa)

Todos devem ler, pois, livros são tesouros que devem ser buscados, lidos, curtidos, sentidos, compreendidos e guardados para consulta; não para enfeitar as estantes como troféus em nossas bibliotecas pessoais. Mesmo porque a pessoa que compra um livro apenas para enfeitar pode ser surpreendida com perguntas e reflexões de alguém que o leu pra valer.

Acontece que chegará um momento que você poderá desejar parar de ler, e isso não terá relação com a sua idade e muito menos com a quantidade de livros que você leu. Sua cabeça dará um basta, não importando o que virá depois. Voltarei a ler? Sentimento de culpa? Nada disso... "Sou escravo da minha consciência" e não do que me dizem que é certo.

Parar de ler livros inteiros não significa se alienar do conhecimento e nem aderir ao ócio. É dar tempo e lugar para o processo natural de assimilação. Nossa busca é pela sabedoria e não pela intelectualidade das respostas "certas".

E esse é o meu "hoje", dedicado a fragmentos de pensamentos, sem me preocupar com aquele jargão dos intelectuais: "mas você não me entendeu porque não leu tudo". Não preciso e não quero entender tudo o que você quer que eu entenda. Quero só a sua essência. Ou, como escreveu Adélia Prado, "Não quero faca, nem queijo. Quero a fome."

Estou em processo digestivo. Minha fome hoje é de sabedoria. Chega de queijo! Por hora...


-o-

Nenhum comentário:

Posts mais populares