domingo, 3 de outubro de 2010

A luta continua ou vai finalmente começar?

O Brasil se mobiliza para escolher o seu (ou a sua) próximo presidente. De dois em dois anos temos essa oportunidade de reforçar nosso espírito democrático em eleições municipais, estaduais e federais. Infelizmente, os maus hábitos de muitos políticos e o grande número de eleitores desinformados, tornam essa representatividade questionável em termos sociais e republicanos. Nosso sistema eleitoral é permissivo e não compensa a desigualdade financeira entre partidos e candidatos, transformando o que deveria ser uma festa da democracia numa guerra onde reina, acima de tudo, o marketing político regado pelo poder econômico. É óbvio que não há como pretender unanimidade (unanimidade consciente, bem entendido) num país de 200 milhões de habitantes. Num país tão socialmente desigual como o nosso, maioria é mais uma demonstração da força dos esquecidos do que comprovação de justiça social. Ninguém tem culpa de ser miserável, mas também ninguém tem culpa de ser da classe média ou da mais abastada, desde que tenha atingido esse status de forma lícita.

A igualdade não é só um objetivo, mas também um caminho. E quando se está caminhando para a igualdade, não pode haver desigualdade no transcorrer desse caminho. Se a desigualdade está na renda, o imposto justo tenta corrigir ou amenizar. No entanto, se a desigualdade está nas condições básicas de saúde, segurança e educação, não adianta culpar outro que não seja o próprio governo, pois, é ele que distribui as receitas. Nem o Congresso pode ser tão culpado porque existem os recursos pouco democráticos, mas existentes, da medida provisória e do contingenciamento.

É óbvio que um governo não pode se responsabilizar sozinho por décadas de má administração dos serviços públicos e da distribuição de renda, mas também não pode justificar sua deterioração . Mesmo porque, nenhum governo perde tempo para capitalizar os aspectos positivos da própria gestão que começaram nas anteriores. Na dúvida, a responsabilidade é do governo atual e PONTO FINAL, pois, não se leva mortos à forca.

A introdução que fiz é uma reflexão absolutamente pessoal, apenas para ressaltar a importância do ACOMPANHAMENTO dos eleitos nos próximos quatro anos, independentemente se votamos neles ou não. Democrática é a escolha, democrática é a eleição e a condução dos eleitos aos cargos que fazem jus. Os eleitos não estão representando os que votaram neles, mas passam a nos representar, assim como a nação, o estado, a região e a cidade em que vivemos. Embora eles ODEIEM que a gente fale isto, de forma bem objetiva e direta, eles SÃO NOSSOS EMPREGADOS. Dos mais humildes aos mais ricos, todos somos seus PATRÕES e, mais uma vez, PONTO FINAL. Portanto, esse sentimento de derrota que nos bate quando o vencedor do pleito não foi aquele em quem votamos é absolutamente injustificado. Não se trata de uma vitória que, como numa guerra, subjulga o derrotado.

A luta não só continua, mas recomeça. Temos ferramentas de sobra para acompanhar OS NOSSOS três poderes. Precisamos apenas criar o hábito de acompanhar, só isso. O acompanhamento, as cobranças, as adesões ás causas, os posicionamentos, as reivindicações, os esclarecimentos... todos são muito mais importantes e mais efetivos que nossos votos bienais. E que tal começar 2011 com uma postura diferente de cidadão? Já tentaram escrever um e-mail para um presidente, governador, senador, deputado, prefeito ou vereador? TODOS RESPONDEM, sabiam? Se não responderem, seja por meio de assessores ou pessoalmente, estarão decretando falência de sua personalidade pública.

Que tal então fazer um 2010 e 2011 diferentes?

Presidência e secretarias:
Senado Federal:
Câmara dos Deputados:
Assembléias Legislativas Estaduais:
Câmaras Municipais:

 -o-


Nenhum comentário:

Posts mais populares